O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), reelegeu-se com folga neste domingo

By | 3 de outubro de 2016

ACM Neto recebeu 73,99% dos votos válidos. Alice Portugal (PCdoB) ficou com 14,55%. Pastor Sargento Isidório (PDT), com 8,61%. Claudio Silva (PP), com 1,46%; Fábio Nogueira (PSOL), com 1,04%; Célia Sacramento (PPL), com 0,23%; e Rogério da Luz (PRTB), com 0,13%.

As pesquisas de opinião sempre o mostraram a aprovação da gestão de ACM Neto, cujo símbolo maior foi o resgate de cartões postais de Salvador, com obras para recuperação da orla. Os adversários o acusaram de fazer poucos investimentos em áreas pobres e de preterir o combate à desigualdade social na capital baiana em prol de intervenções cosméticas.

Não colou. Desde janeiro, Neto era apontado como prefeito mais bem avaliado entre treze capitais brasileiras pelo Instituto Paraná Pesquisas. E os adversários nunca ameaçaram sua liderança ao longo da campanha eleitoral.

Apesar disso, o DEM despejou recursos na campanha. Um olhar sobre as contas da revela a importância dada pelo partido para chegar à vitória no terceiro maior colégio eleitoral do país. O prefeito reeleito arrecadou 7,3 milhões de reais declarados até este domingo, sendo 5 milhões de reais do fundo partidário, doados pelo Diretório Nacional do DEM. Por trás da vitória, o partido constrói a imagem de uma de suas apostas para renovar seus quadros. Os marqueteiros apresentam o prefeito como carismático, ligado ao povo, disposto ao trabalho e descontraído. Aos 37 anos, ACM Neto sai das urnas não só como herdeiro do carlismo, mas o político “de maior expressão nacional” do Democratas, reconhecem seus adversários locais.